O poder das nossas escolhas

Ao longo da vida passamos por diversos momentos em que nos vemos confrontados a fazer uma escolha. Tomar uma decisão sobre aspectos importantes e que poderão modificar o rumo das coisas. Escolhas que podem ser pessoais, profissionais, familiares. Mas, porque às vezes é tão difícil decidir?

São inúmeros dilemas que surgem ao longo de uma vida, tais como: qual profissão escolher, casamento, ter filhos, viajar, trabalhar, mudar de trabalho, sair da casa dos pais, divorciar, voltar para a casa dos pais, casar de novo, abrir seu próprio negócio…

A dificuldade de decidir está diretamente relacionada com a importância e com o possível impacto que a mesma poderá ter na vida de uma pessoa. São situações que geram dúvidas e incertezas. Como decidir sobre algo tão importante? Mas, e se não for a melhor decisão? E se eu me arrepender?

“Deixa a vida me levar”

Escolher, necessariamente, requer abrir mão de alguma coisa, na expectativa de ganhar outra. Não temos como saber qual é a melhor opção. Não há um manual que nos garanta o que dará certo ou não no futuro. Essa incerteza, por vezes, é motivo de angústia e ansiedade.

Uma forma de minimizar esse mal estar que sentimos é culpando o outro ou o destino. Ou se defendendo através de uma frase corriqueira como: Eu não tive escolha! Mas, será que isso realmente é verdade?

Na dúvida, muitas vezes preferimos deixar que o outro decida por nós, ou escolhemos pelo o que for mais conveniente. O resultado pode acabar sendo muito diferente daquele que gostaríamos, gerando frustração. Porém, não percebemos o quanto responsável fomos por isso.

O trecho de uma famosa música brasileira diz “Deixa a vida me levar, vida leva eu…” (Zeca Pagodinho) e ilustra bem o que significa não decidir sobre a sua vida. Deixar a vida te levar significa que não quisemos tomar nenhuma decisão sobre ela, que preferimos que o acaso o fizesse. Isso gera a falsa ideia de que assim não sofreremos com as consequências das escolhas “erradas” e promove uma diminuição da ansiedade.

Porém, trata-se apenas de uma ilusão temporária, já que a nossa vida é o resultado direto dessas escolhas. O contrário pode acontecer, ou seja, isso pode ser motivo de brigas e rompimentos, uma vez que o indeciso pode culpar o outro pelo seu fracasso, sem se dar conta que o verdadeiro culpado foi ele mesmo por ter delegado decisões importantes à outra pessoa.

Devemos perceber que mesmo quando preferimos não decidir nada, uma decisão já foi tomada: a de não se comprometer. A questão é que não percebemos que realizamos, muitas vezes, esse mecanismo de fuga.

Seja responsável por sua vida!

A vida é repleta de riscos! Não temos como ter certeza se nossas escolhas serão as mais adequadas. Precisamos nos conhecer melhor para buscar algo que nos deixe realmente feliz. Para isso é importante nos responsabilizar pelos nossos atos e decisões e não permitir que outros os façam por nós. Dessa maneira será possível trilhar nossos caminhos de uma forma mais honesta com nós mesmos.

Escolher é uma atitude de autoconfiança e autoconhecimento. Pode ser que não dê certo, é verdade! Mas, pelo menos tentamos fazer aquilo que acreditávamos. É através dos acertos e erros que podemos tentar fazer de novo, de outra forma. É isso que constrói a história de cada um de nós.

Foto: Flickr
 
Por: Viviane Lajter Segal
Psicóloga clínica CRP 05/41087
e-mail: viviane@lajter.net
 

Written by Viviane Lajter Segal all rights reserved.

 
 

Anúncios
Esse post foi publicado em ansiedade, Comportamento, frustração, insegurança, Psicologia, Terapia, transformação e marcado , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para O poder das nossas escolhas

  1. Renato W disse:

    Gostei do texto!!! muito bom Vivi!!!
    Sempre detestei essa frase “Deixa a vida me levar”, escutei ela uma vez quando os jogadores da seleção brasileira estavam em um ônibus cantando essa música. Fiquei pensando – Muito bom, agora mesmo que o povo inteiro vai ver isso e não vai querer fazer mais nada mesmo – Achando que tudo vai dar certo.
    Outra coisa: Acho que a vida não é apenas escolhas.
    Escolhas é uma parte da equação, ainda temos que pensar não somente nó que queremos (escolher) mas também no que não queremos (renunciar).
    escolher + renunciar + … = vida
    Citaria Woody Allen “Nós somos a soma das nossas decisões”

    beijos e parabéns pelo blog!!

  2. Gostei muito da citação e do comentário, acho que é isso mesmo. Somos convocados a tomar decisões o tempo todo e é isso que nos constrói enquanto pessoas.
    Concordo com a sua equação. A renúncia, realizada mediante o conhecimento do que não desejamos, também são formas de escolher o rumo que se deseja para a própria vida. Você não acha?
    Muito obrigada.
    beijos,
    Viviane

  3. eliane disse:

    Ótima reflexão. Estou me divorciando depois de 30 anos de casamento. Estou atravessando uma ponte, sem saber o que me espera do outro lado, mas sabendo o que estou deixando deste lado.

    e a vida continua.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s