Olá,

Hoje temos mais perguntas e respostas sobre ansiedade, relacionamentos e autoestima.

Na sessão “Respondemos Você” você faz a pergunta e nós respondemos aqui. A ideia é proporcionarmos uma orientação sobre as questões emocionais difíceis de serem resolvidas, mas sabemos que para uma transformação efetiva é necessário mais. A Terapia é sempre um ótimo caminho para o autoconhecimento e para uma vida mais feliz.

Mande sua pergunta para nós pelo e-mail. Viviane (viviane@lajter.net) ou Marcela (marcelapimentapavan@gmail.com).

—————————————

“Bom dia!!
Pra falar a verdade nem sei por onde começar! rs
Uma pergunta, como é q uma pessoa ansiosa e muito nervosa pode sentir prazer em arrancar cabelo (no meu caso na cabeça)? Eu estou quase ficando careca e não consigo parar. O meu nervosismo é tão grande que as vezes desconto na minha filha e em todos que estão perto. Qualquer coisa errada estraga o meu dia. Na maioria das vezes estou triste, são poucos os dias que fico feliz com a vida. Eu não sei por onde começar?
Devo ir no psiquiatra? Ou me consultar com psicóloga?
Obrigada por responder.
Abraço!”

Olá,

A ansiedade excessiva pode levar a alguns comportamentos aparentemente estranhos, de alguma forma, arrancar os cabelos pode estar aliviando a sua ansiedade, como se fosse uma válvula de escape. É a mesma coisa com quem rói  as unhas, mesmo a pessoa não querendo ter esse comportamento de roer ela continua fazendo porque, de alguma forma, isso a distrai e alivia a ansiedade.

Canalizar a ansiedade para o outro também é comum quando não conseguimos administrar o nervosismo dentro de nós. Isso pode levar a um sentimento de culpa posteriormente, o que agrava a situação e reforça a ansiedade.

Porém, é muito importante essa percepção que você está tendo de si mesma, pois, só assim é possível reconhecer que algo não vai bem e pedir ajudar. As coisas podem melhorar muito quando baixamos nossas defesas e recorremos a uma ajuda profissional. A minha sugestão é que você vá a um psicólogo e comece uma terapia, o processo de auto conhecimento pode ser suficiente para baixar a sua ansiedade e trazer bem estar. Caso haja necessidade, o psicólogo pode te encaminhar para um psiquiatra.

Um abraço,

Marcela

“Eu estou com muitos problemas no meu relacionamento e tudo leva a crer que é por alguns comportamentos meus. Eu tentei de todas as formas entender o que eu faço de errado para ela e como ela tem esse tipo de comportamento e pensamento. Tipo, eu sempre tenho que assumir todos os erros, como se ela fosse uma pessoa livre da possibilidade de errar, e caso ela erre eu não posso falar nada, caso me magoe ou eu não goste, tenho que ficar calado, eu estou agindo errado falando? Pois me sinto o pior homem do mundo porque a mulher que mais amo fica muito triste quando acho q ela tem que ouvir alguma coisa por passar dos limites, ela diz que não se fala assim com uma mulher, que não se trata de igual para igual, tipo, ela me critica e eu não posso criticar. Isso está acabando com meu relacionamento e eu gostaria de saber se terapia ou algum tipo de tratamento me ajudaria a mudar ou a melhorar, ou me ajudaria a entender o que está acontecendo, porque tenho amigos que dizem que o que eu faço não tem nada de errado. Muito obrigado.”

A avaliação do que é certo e errado é delicada e varia de acordo com cada um. O que pode ser bom para um pode ser ruim para a realidade do outro. Acredito que o que você está querendo descobrir é o que é melhor para a sua vida. Aquilo que realmente vale a pena seguir em frente e o que é melhor reavaliar a possibilidade de uma mudança.

Acredito que a terapia pode ser um grande aliado nesse processo de se conhecer melhor e compreender o que está acontecendo na sua relação. Será importante também para que você perceba se é algo que você gostaria de modificar na sua vida. Quando não conseguimos seguir a diante sozinhos em uma dificuldade, é o momento de pedir ajuda profissional para um psicólogo. Ele te auxiliará a ver os pontos cegos que todos nós temos, ou seja, situações que estão completamente fora da nossa consciência, mas que nos fazem agir e pensar de maneira a dificultar diversos aspectos da nossa vida.

Um abraço,

Viviane.

“Olá,

Hoje preciso desabafar com alguém que possa me fornecer uma opinião positiva sobre o que ando sentindo, bom a vida inteira fui chamada de gorda, inútil e coisas do gênero pensei várias vezes em me matar… Mas nunca o fiz e nem tentei,de uns dias para cá tenho me sentido bem comigo mesmo me achado bonita sabe? Mesmo que as pessoas a minha volta digam o contrário, não me sinto gorda e creio que não sou tanto quanto dizem, me vejo hoje como alguém que se fechou para o mundo e se abriu de uma vez e nessa época me doei demais para os outros e esqueci de mim, o excesso nunca é algo bom em nada, hoje eu estou recolhendo os cacos de mim mesma, sou muita nova e tenho muito a viver, mas a minha perspectiva de mundo é diferente da das outras pessoas, não quero me prender a um lugar, quero viajar o mundo e fazer dele meu lar, ando tão otimista que isso tem me assustado,só lembro de sentir isso quando estava apaixonada, mas é diferente é uma felicidade mais profunda e silenciosa, como as folhas ao vento ou o calor do sol da manhã na minha pele, olho no espelho e não vejo mais a mim mesma,vejo alguém que tem marcas e erros,um sorriso tímido que raramente me pinta os lábios, talvez finalmente eu tenha amadurecido, não consigo mas sentir repulsa ao ver minhas fotos por que quando confronto-as vejo que o meu passado se faz necessário e que ele é uma parte de mim, acho que agora entendo que não vejo mais a parte externa de mim mesma acho que aprendi a ver minha alma, me sinto livre como nunca me senti, os problemas não me derrubam mais pelo contrário são os motivos para mim continuar em frente, mas eu tenho tanto medo por que o que eu sinto agora não condiz com o que as pessoas me dizem, devo me importar e seguir essa correnteza me tornando igual as outra garotas ou devo penar um pouco e ser eu mesma?”

Pelo o que me descreveu me parece que você foi levada a vida toda a acreditar que era pior que os outros e a se ver de forma depreciativa.

A opinião dos outros costuma afetar de forma importante a nossa autoestima e autoimagem. E, na sua história, afetou de forma muito negativa.

Nesse seu novo momento me parece que você está conseguindo se olhar de uma maneira mais leve e, consequentemente, se gostando mais.

Esse é o caminho! É assim que você vai gostar mais do que você é, da sua história e daquilo que você poderá se tornar.

Parabéns!

Um abraço,

Viviane.

 

Anúncios
Esse post foi publicado em ansiedade, obesidade, Psicologia, relacionamentos e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s