Apenas autistas com grau mais leve conseguem ter relacionamento amoroso.

Autistas bem estimulados desde a infância encontram menos dificuldade em lidar com relações e sexualidade.

bruna linzmeyer

*Escrito por Evelyn Vinocur

autismo faz parte dos Transtornos do Espectro Autista e é uma disfunção global do desenvolvimento humano, que se inicia na infância e que se caracteriza tanto por déficits na comunicação e interação sociais como pelo comprometimento no comportamento, interesses e atividades restritas e repetitivas. Afeta cerca de 1% da população e se divide em tipos leves, moderados e graves. Mesmo o autismo sendo leve, não há cura.

Antigamente não víamos tantos autistas como hoje, muito por conta da ausência de uma classificação precisa para os distúrbios mentais, como existe atualmente. Entretanto, o preconceito ainda é grande. Mas é bom lembrar que ao contrário do que muitos pensam, o autismo pode não ser uma sentença única e condenatória para a pessoa, já que muitos autistas vivem uma vida praticamente normal.

Ainda assim, mesmo com todos os avanços advindos da neurociência sobre o autismo, muito ainda há que ser entendido sobre o assunto, fazendo do autismo, um tema polêmico, desafiador e instigante. Um dos pontos polêmicos quando a questão é autismo é o da sexualidade do autista. E a pergunta é: O autista pode ter um relacionamento amoroso?

A arte imita a vida

No momento a doença vem sendo abordada pela novela Amor à Vida, com a personagem Linda (Bruna Linzmeyer). E juntamente com a personagem, apareceu esse questionamento, já que ela está vivendo uma história de amor com Rafael (Rainer Cadete).

Linda é uma jovem autista e Rafael um bem sucedido advogado e sem problema mental, que frequenta a casa dos pais dela. Aos poucos, o advogado sente-se atraído por ela e passa a fazer de tudo para melhorar a doença de Linda. E nesse intuito, ele vai ter que superar várias barreiras para conquistar a confiança da moça. Ele cria várias atividades lúdicas e expressivas para Linda das quais ele também participa ativamente, junto dela. A sua dedicação e cuidados constantes, promovem mudanças em Linda que, ao ser estimulada, passa a interagir melhor e ficar mais independente. E assim, a despeito de todos os contratempos, chega um momento onde só há espaço para o amor que nasce entre eles.

A novela passa a mensagem que o amor e a paixão têm força e que podem operar milagres. Rafael não é médico e não entende de autismo. Mas a força do seu amor faz promover uma comunicação entre eles, deixando Linda bem mais calma. Será que essa história de amor é só mais um conto de fadas, mágico e com final feliz? Ou será que o caso de Linda é a retratação de casos possíveis na vida real?

Os tipos de autismo

Para responder essas questões é essencial entendermos os espectros do autismo. De um lado, temos as formas mais leves, que costumam cursar apenas com alguns sintomas, como por exemplo, um comprometimento no comportamento. A criança pode manifestar alguma restrição na interação social e ter certa dificuldade para se relacionar com outras crianças, mas as demais áreas de desenvolvimento estão preservadas. Com frequência, os autistas leves são muito inteligentes e sensíveis a mudanças súbitas e a maioria leva uma vida bem próxima da normalidade. Alguns podem viver anos sem receber o diagnóstico e não raro, são confundidos com pessoas muito tímidas.

Já na outra extremidade, estão os casos mais severos de autismo. Estes, cursam com deficiência intelectual grave e se caracterizam pela ausência de contato com o ambiente ao redor, vivendo um mundo à parte, em um estado de apatia e falta de interesse aos estímulos externos, sem qualquer interação social. A linguagem (comunicação verbal e não verbal) está praticamente ausente. Eles não abstraem, não têm discernimento sobre as intenções do outro, não têm malícia, podendo inclusive sofrer algum abuso por parte de pessoas mal intencionadas. Não conseguem manifestar afeto nem mesmo aos pais e não gostam de dar ou receber carinho. É comum a presença de padrões repetitivos de comportamentos inadequados e até bizarros, como cheirar e levar à boca objetos não digeríveis e não comestíveis. São comuns as crises de agressividade consigo mesmos e os outros com acessos de raiva, fúria e gritos. Aversão à mudança na rotina e quando ocorre, se descontrolam totalmente. Necessidade contínua de auxílio para iniciar e manter atividades (mesmo as mais básicas) da vida diária, como alimentação, vestuário, e outros, mostrando um grau de dependência quase total do cuidador.

Relacionamentos

Pessoas com autismo leve podem ter um relacionamento amoroso, se casar, ter uma família e filhos. Nos casos leves de autismo o comprometimento ocorre apenas em um segmento, com preservação das demais áreas do desenvolvimento. A vida segue o seu rumo de modo muito próximo ao normal. Os déficits, quando presentes, são de intensidade mínima e geralmente não chegam a comprometer a vida do casal. Apesar de o autismo poder prejudicar o reconhecimento das emoções, as pessoas autistas sentem e experimentam as suas emoções como qualquer um, o que difere é o modo como cada autista vai expressar as suas emoções.

Se houver alguma dificuldade, é comum que a família preste o suporte necessário. Vale lembrar que pais e familiares também precisam de suporte e orientação adequados. Sabidamente, a maioria dos autistas se casam mediante a aprovação dos pais e recebem deles toda a ajuda necessária.

Em geral, pessoas com autismo que optam por estabelecer um vínculo afetivo duradouro com outra pessoa apresentam um grau satisfatório de independência emocional e foram bem orientadas desde a infância. Muitos pré-adolescentes com autismo manifestam interesse saudável por questões relativas a sexo, sexualidade, hormônios, e outros. É importante que todas as explicações sejam dadas sobre os temas afins, como namoro, casamento, família, filhos, o que significa ter um filho, as implicações (em termos afetivos, de custo, de tempo) que um filho gera na vida de um casal, o momento mais adequado para ter um filho, aleitamento, mudanças no corpo, e outros.

Todo o conhecimento adquirido vai se converter em mais amadurecimento e autoestima. O amadurecimento emocional e cognitivo são indispensáveis para que um relacionamento perdure. Mas pode acontecer que alguns autistas, ainda que de tipo leve, se queixem de alguma dificuldade para iniciar uma paquera, seja pela dificuldade social que apresentam ou porque o “flerte” envolve um grau de flexibilidade de postura. É o momento da conquista, do jogo de sedução, do sorriso maroto, da piscada de olhos ou até de um simples movimento com a cabeça. Isso pode acontecer com todos nós e principalmente na pessoa com autismo, cuja mente é mais literal e concreta, mas eles acabam dando o seu jeito e superando o problema.

Mas e a personagem Linda?

Especificamente em relação à personagem de Amor à Vida, é possível dizer que a evolução do quadro de Linda ocorreu de modo diferente ao que seria esperado na vida real. Mas, em nome da chamada licença poética, vale tudo. No início da novela, Linda tinha um autismo moderado a severo. A comunicação era muito deficitária e ela praticamente não fazia uso da linguagem. Com interação social ausente, ela foi educada sob critérios rígidos, regime matriarcal e autoritário, tendo vivido reclusa em casa, sem amigos. Não tinha controle das suas necessidades fisiológicas e não frequentava escola. Havia a presença de reações catastróficas, com total descontrole emocional e muitos comportamentos ritualísticos e movimentos corporais repetitivos. Além da ausência de tratamento (medicamentoso e não medicamentoso). Os pais e familiares também nunca receberam suporte e orientação. A dependência dos pais era total, até para atividades básicas da vida diária.

Ou seja, apresentava restrição importante dos recursos internos para gerenciar a própria vida. Assim, até este ponto da novela, fica claro que um relacionamento amoroso ficaria inviabilizado para Linda. Contudo, tão logo Rafael entrou na vida de Linda, o quadro da jovem mudou completamente quanto aos aspectos citados acima, quase que instantaneamente. Poder-se-ia dizer que Linda, partindo de um estágio de autismo moderado-grave, rapidamente “queimou etapas” chegando ao “pódio” (final da novela) como autista leve ou até quem sabe, como autista de alto funcionamento? Pois aí sim, ela teria condições de manter um relacionamento amoroso.

Ocorre que na vida real, as coisas não são assim. Ainda que um autista moderado receba todos os tratamentos de modo correto e em conjunto (medicamentoso, multiprofissional, inclusivo, familiar, etc.) o processo é lento, prolongado e contínuo. A melhora ocorre lenta e gradualmente ao longo dos anos e o tratamento é fundamental para o manejo das muitas restrições impostas pela doença. Talvez por se tratar de uma ficção, o modo como os sintomas foram sendo alinhavados no tempo tenha ficado um pouco confuso, quando comparado a casos de autismo da vida real.

 *Evelyn Vinocur é Neuropsiquiatra e Psicoterapeuta.

Matéria original do site Minha Vida

Anúncios
Esse post foi publicado em Psicologia, relacionamentos e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s