Você sabe escolher?

* Por: Marcela Pimenta Pavan

O mundo em que vivemos pede cada vez mais autonomia de nós. Antigamente era comum ter que seguir um padrão mais rigidamente esperado pela sociedade. Existiam modelos certos de como agir e se portar. Hoje em dia já é diferente, são inúmeras as possibilidades e perspectivas de futuro. Podemos escolher diversas profissões, morar fora do país, casar ou não, ter filhos ou não, entre outras.

Ainda existem os modelos certos e ideais, aqueles mais reconhecidos e valorizados pela sociedade, mas atualmente, sem dúvida, temos muito mais liberdade de escolha.

A questão hoje não é somente a conquista pelo espaço e o direito de liberdade e sim como decidir pelo que é melhor para si, como administrar as diferentes possibilidades e decidir pela escolha adequada.

Liberdade

No passado a liberdade era tolhida e o questionamento não era estimulado na maior parte da população, bastava seguir o que era esperado, o modelo para ser aceito. À medida que ganhamos independência e mais acesso a informação, ganhamos também liberdade e possibilidades de escolhas pessoais e, com isso, a necessidade de aprender a lidar com essa condição. Significa desenvolver a capacidade de refletir, ponderar, comparar e escolher.

Saber escolher pode parecer fácil, mas não é. São muitos os aspectos envolvidos. O que é melhor para mim? O que é melhor para o meio em que vivo? É possível chegar a um meio termo? Tenho coragem suficiente para escolher e seguir por minha conta e risco?

Tomar para si a responsabilidade pelas próprias escolhas sem colocar as justificativas em fatores externos, como o destino, a família, o companheiro e tantos outros, é uma tarefa corajosa.

O filósofo francês Jean-Paul Sartre desenvolveu, no século passado, a idéia da Má-fé , que é a tendência do ser humano de colocar a responsabilidade pela própria vida em fatores externos evitando assim a angústia. De certa forma atribuir nossas escolhas a outros fatores nos liberta do desconforto, é aparentemente mais fácil colocar a possibilidade de fracasso em uma justificativa externa, mas também uma forma equivocada, pois nos distancia dos nossos projetos pessoais, direcionando a vida, muitas vezes, para um lugar distante daquilo que realmente desejamos.

Autonomia

Há uma citação do Psicólogo Carl Gustav Jung que diz “Só aquilo que somos realmente tem o poder de curar-nos.” Para sermos quem realmente somos, e sermos mais realizados e felizes, é necessário tomarmos a responsabilidade da própria vida para nos mesmo, amadurecendo e deixando de sermos refém do acaso ou de situações aparentemente condicionantes.

Claro que a opinião e ajuda daqueles que amamos e respeitamos é benéfica e fatores externos nos influenciam mas a escolha final sempre é nossa, pessoal e intransferível.

Ter consciência disso é ter autonomia, tomar as rédeas da própria vida e direcioná-la para onde se quer com vontade, coragem e o constante desejo de descobrir a si mesmo.

Marcela Pimenta Pavan é Psicóloga Clínica. Especialista em Família e Casal pela PUC-Rio. Trabalha com questões ligadas a relacionamentos, conflitos pessoais, ansiedade,depressão, carreira, envelhecimento, entre outras. Atendimento online: www.acaminhodamudanca.com.br. Consultório: Largo do Machado – R.J. Atendimento domiciliar. Contato: marcelapimentapavan@gmail.com

 

 Written by Marcela Pimenta Pavan all rights reserved.
Anúncios

2 respostas para Você sabe escolher?

  1. Geicienny disse:

    Olá, sou estudante de psicologia. Muito bom esse tema. Os temas são todos bem objetivos. Parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s