Por trás dos relacionamentos saudáveis.

* Por: Marcela Pimenta Pavan

Vocês são uma espécie interessante, uma mistura interessante, são capazes de sonhos tão lindos e de pesadelos terríveis. Se sentem perdidos, sozinhos, mas não estão. Sabe, em toda a nossa vida a única coisa que achamos que torna o vazio suportável é o contato…” (Carl Sagan).

Esse trecho do filme “Contato”, baseado no romance de Carl Sagan, chama atenção especialmente por deixar evidente a importância do contato, da relação com o outro, em nossas vidas.

A busca pelo outro tem, entre outros, um caráter instintivo, somos antes de tudo animais gregários, e precisamos do outro para nos proteger, para nos acasalar, mas também buscamos uma completude, alguém que nos compreenda, que nos ampare, oriente e que nos ame.

Apesar de ansiarmos por uma boa companhia sabemos que nem sempre é fácil manter uma relação. Muitas vezes surgem os desencontros e as frustrações dificultando o contato. Isso acontece não só no aspecto amoroso, mas também no familiar, social, profissional.

O que será que atrapalha?

O ser humano se constitui na relação com o outro. O bebê busca desde cedo o olhar e a atenção da mãe. Com o tempo as relações vão se ampliando para a família, amigos, professores, trabalho, amores. Segundo VYGOTSKY, desde o nascimento o individuo é socialmente dependente do outro, para que possa entrar em um processo de desenvolvimento histórico, cultural e social e, consequentemente, constituir-se como um sujeito social.

No meio das relações que construímos ao longo da vida projetamos muito de nós mesmos nos outros. Esperamos que o namorado perceba a insatisfação, que o chefe reconheça nosso esforço, que o amigo venha nos socorrer, ou seja, esperamos que o outro nos corresponda. Criamos idealizações do que é ou não importante para nós e deixamos de ver o outro como ele realmente é, com seus atributos e dificuldades. Quanto mais idealizado for o nosso desejo maior o risco da realidade ser diferente do imaginado.  O resultado geralmente é a frustração e a mágoa.

Outro ponto importante que gera o desencontro são experiências passadas desagradáveis. Todos nós passamos por frustrações em nossas relações passadas mas algumas pessoas, na tentativa de evitar novas angústias, se fecham em demasia. Isso dificulta a vivência de novas relações e experiências diferentes. O fato é que, agradáveis ou não, as relações são fundamentais para o nosso amadurecimento. Quando tentamos nos acertar com o outro precisamos repensar nossa forma de ser, tentar novos caminhos, olhar sob novos pontos de vistas.  São as relações de amizade, de amor, de trabalho que nos fazem crescer e perceber o que nos traz bem estar.

Como se relacionar melhor?

Um mundo sem projeções é improvável, todos nós temos as nossas expectativas e, de certa forma, isso nos move e indica aquilo que queremos. O ponto é equilibrar as expectativas com a realidade e evitar colocar no outro toda a responsabilidade pela nossa satisfação. Quando buscamos nos conhecer mais entendemos também o que buscamos no outro. Com o autoconhecimento ganhamos mais autonomia sobre as nossas escolhas e a dinâmica do relacionamento se torna mais saudável.

As experiências passadas são também muito importantes, através delas vamos aprendendo e crescendo. Qualquer pessoa que olhar sua história verá nela situações boas, ruins, engraçadas, tristes. A diferença é como as interpretamos, podemos ver as situações ruins como catastróficas ou como comuns a espécie humana e aprendermos com elas. O fato é que as relações colorem a nossa vida, estamos sempre em busca de trocas significativas com as pessoas à nossa volta. Cabe a nós construirmos relações positivas e saudáveis. Elas são os alicerces do caminho, a base para uma vida mais feliz!

Marcela Pimenta Pavan é Psicóloga Clínica. Orientação Junguiana. Especialista em Família e Casal pela PUC-Rio. Trabalha com questões ligadas a relacionamentos, conflitos pessoais, ansiedade, depressão, carreira, envelhecimento, entre outras. Atendimento online: www.acaminhodamudanca.com.br. Consultório: Largo do Machado – R.J. Atendimento domiciliar. Contato: marcelapimentapavan@gmail.com 
 
 
 
 

15 respostas para Por trás dos relacionamentos saudáveis.

  1. Ana Paula Florêncio Pantaleão. disse:

    MUito interessante e pertinente aos relacionamentos interpessoais.
    Ana Paula Florêncio Pantaleão.

  2. Claudnei Barcellos Melo disse:

    Minha querida amiga Marcela Pimenta!
    É um orgulho poder desfrutar de suas produções. Este é um excelente canal para plantarmos a nossa sementinha. Quando crescer, quero ser que nem você. Parabéns!
    Beijos,
    Claudnei Barcellos Melo.

  3. Dalva Pimenta disse:

    Gostei muito, vou imprimir e refletir com minhas alunas do Curso Normal ( magistério ). Com objetivo de melhor integração da turma.
    Pedagoga Dalva Pimenta.

  4. Elisabete disse:

    Simples, porém bastante esclarecedor.

  5. Gilvania disse:

    A transformação interior é o sucesso da mudança.

  6. Antonio Jorge Carneiro Braga disse:

    Bom dia, amiga Marcela.
    Gostei muito do texto, ele reproduz a existencia do ser neste mundo, sabemos que as experiencias sao importantes para as transformações dos comportamentos.
    Grande abraço amiga
    JORGE BRAGA

  7. Pingback: Conflito nas relações: território ameaçado. | A Caminho da Mudança – Blog de Psicologia

  8. Leidiane Estevão disse:

    Interessante demais. Mas quando esperamos do outro o suprimento de alguma necessidade, como carência afetiva por exemplo, estamos justamente pondo em prática a teoria de que os seres humanos precisam do outro em sua convivência. Daí quando não temos essa expectativa atendida, suprida, ficamos carentes, ou melhor, fico carente, diminuída, me sentindo sozinha. Como conciliar isso, necessidade do outro e o auto suficiência, sei lá!

    • Oi Leidiane, Vivemos em relação, é na relação que formamos quem somos, buscamos e desejamos companhia para nos sentirmos felizes. Junto com a necessidade de relação é importante equilibrarmos as expectativas em relação ao outro, quando necessitamos do outro para dar sentido a nossa vida, há frustração. A medida que vamos nos conhecendo ficamos mais conscientes do que buscamos de verdade nas nossas relações e encontramos caminhos para conciliar a relação com o outro e a relação conosco mesmo. A Psicoterapia é um ótimo caminho para isso. Procure um psicólogo para a psicoterapia e fale dessas suas questões. Boa caminhada! Marcela

      • Leidiane Estevão disse:

        Obrigada Marcela! Já estou providenciando isso, percebo o quanto estou precisando dessa orientação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s