Festas de fim de ano: momentos de reencontros

*Por: Viviane Lajter Segal

Chegamos ao final de mais um ano, período de aproximação, confraternizações e reflexões!

Tivemos um ano  bastante conturbado, em que as emoções estiveram à flor da pele em várias situações. Acompanhamos muitas amizades serem desfeitas, membros da família serem excluídos e uma sensação de hostilidade e intolerância perante o outro. Mas, o mês de dezembro é sempre um período em que paramos para refletir a respeito das nossas relações e sobre os nossos objetivos para o novo ciclo que se inicia.

Os sentimentos de gratidão e de afeto ficam mais presentes e desejamos estar com aqueles que amamos. Então, porque não pararmos para refletir se vale nos reaproximarmos daquelas pessoas que são importantes para nós, mas que por algum motivo se distanciaram ao longo desse período?

Reunião de família

Os encontros familiares possuem uma grande importância na nossa saúde emocional. Há um resgate dos laços afetivos, das nossas origens, da sensação de pertencimento e de acolhimento. Há troca de histórias, novidades, expectativas, olhar e de afeto.

Não me refiro aqui, necessariamente, as famílias compostas por pai, mãe e filhos, mas sim a um conceito mais amplo. Ou seja, de pessoas que fazem parte da nossa origem, do que somos e do que nos tornamos na vida, sejam elas quais forem. Geralmente, são elas que fornecem suporte emocional para lidarmos com os problemas que surgem no nosso percurso.

Aproveite a época e a estenda para o restante do ano

Sabemos que a vida está muito acelerada e que o tempo está cada vez mais limitado para realizarmos todas as atividades que precisamos ou desejamos. Com isso, acabamos deixando de lado momentos de prazer, de convívio familiar e de interação com amigos. Porém, quando nos damos conta de que mais um ano acabou e que estamos distantes daqueles que amamos, podemos fazer algo a respeito.

É possível se aproximar dessas pessoas ao longo do ano todo. Utilizar redes sociais, vídeos e telefonemas com mais frequência são algumas possibilidades. Manter o contato com alguém requer disponibilidade e certo esforço, é verdade. Porém, certamente possui recompensas muito gratificantes.

Para aqueles que escolheram se afastar de alguém amado, é importante parar para pensar na forma pela qual queremos nos relacionar. São escolhas que temos que fazer para viver melhor e com mais tranquilidade. Refletir, com sinceridade, se o motivo pelo qual fez você romper com uma pessoa tão especial, realmente foi tão grave a ponto de ser melhor mantê-la distante de sua vida.

O clima favorável para festas, encontros e amizade pode ser estendido para o ano inteiro e não se restringir a um pequeno período. Mesmo que haja distância física, geográfica ou emocional entre as pessoas. Somos seres relacionais e, como tal, precisamos trocar carinho e afeto para nos sentirmos mais plenos e queridos.

Desejo boas festas e um 2019 afetivo, amistoso e repleto de boas escolhas!

Foto: Every Stock Photo

Viviane Lajter Segal, psicóloga clínica, especialista em família e casal, psicanalista em formação, CRP 05/41087. Contato: viviane@lajter.net ; Atendimentos: Copacabana/RJ e online em A Caminho da Mudança.

Anúncios
Publicado em a caminho da mudança, Agressividade, amadurecimento, Análise, autoconhecimento, autoestima, Comportamento, emoções, escolha, família, felicidade, frustração, gratidão, psicóloga copacabana, psicóloga Viviane Lajter Segal, Psicologia, psicologia online, reaproximação, relacionamentos, Terapia | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

Pessoas controladoras: descontrole à vista.

Stressed man frustrated with electronic devices

Stressed man frustrated with electronic devices in office

O aumento no consultório de pessoas com o perfil controlador é evidente. O que chamamos de controlador são homens e mulheres com uma sobrecarga de funções e deveres em decorrência da necessidade de ter a maior parte das coisas da sua vida, e até da vida dos outros, sob controle.

É uma tarefa exaustiva, para controlar é preciso estar atento ao que acontece e ao que pode acontecer, quase sempre, de negativo. Uma necessidade de estar sempre alerta e preparado para as diversas possibilidades do destino.

Muitas vezes a vida nos coloca em situações onde precisamos executar várias funções, como mulheres que acumulam papéis da mãe, administradora da casa e profissional. A questão é a postura que temos diante desses desafios, alguns tem uma postura mais rígida e centralizadora, outros são mais flexíveis e delegam funções.

Por que controlar?

Muitas vezes a necessidade de controle revela uma enorme insegurança, esse fato pode vir do contexto em que vivemos, pois somos bombardeados com notícias que nos alarmam diariamente, como: violência urbana, diferentes doenças, acidentes possíveis, etc. Nesses casos, controlar significa tentar garantir a minha segurança e a segurança das pessoas a minha volta.

Além disso, podemos apresentar uma baixa autoestima e ter desenvolvido, ao longo da vida, uma crença de que coisas ruins acontecem conosco se não tivermos atentos e, por isso, é preciso estar alerta, preparado para se defender.

Procurar ter tudo sob controle traz alguns ganhos conscientes e inconscientes. Sabemos que quando nos planejamos e tentamos prever as situações podemos conquistar bons resultados. Se eu me planejo para uma prova e tento prever os assuntos, tenho boas chances de passar, isso é um ganho totalmente consciente. Mas alguns são inconscientes, como a sensação de poder que esse comportamento pode gerar. Quando eu me antecipo nas situações e centralizo afazeres, ganho um lugar especial e imprescindível, as pessoas me solicitam e me procuram, ganho um lugar de poder.

E os ganhos negativos?

O lado negativo existe, esse comportamento gera muita ansiedade, é preciso estar alerta a maior parte do tempo para poder prever, estar preparado e agir em diferentes situações possíveis. Os pensamentos ficam acelerados, o que pode gerar dor de cabeça, respiração ofegante, tonturas, dificuldades para dormir e relaxar, exemplos típico da ação do complexo. O corpo e a mente entram numa dinâmica acelerada que alteram todo o nosso estado físico, mental e psíquico.

Em situações extremas essa ansiedade pode gerar episódios de pânico ou doenças psicossomáticas.

Olhando pelo ponto de vista da psicologia analítica esses sintomas são coerentes com a ideia da tensão dos opostos e da compensação pelo inconsciente. Segundo Jung “… se a tensão dos opostos aumenta, em consequência de uma unilateralidade demasiado grande, a tendência oposta irrompe na consciência, e isto quase sempre precisamente no momento em que é mais importante manter a direção consciente.” (A Natureza da Psique)

Para Jung temos tudo em nós, assim como os opostos, se algo está na consciência logo o seu oposto está na inconsciência.

Na maior parte das vezes o que leva as pessoas aos consultórios psicológicos é quando estes opostos estão sob tensão. Quanto mais eu me vejo como uma pessoa planejada, organizada, esforçada mais os opostos estão crescendo na inconsciência. Quanto mais eu me vejo como uma pessoa controlada mais o descontrole está ganhando força na sombra. Como o inconsciente tem um caráter compensatório para equilibrar a psique, vem o sintoma e toma conta do cenário, revelando que há um desequilíbrio.

O que é um episódio de pânico? Um descontrole total, a pessoa não controla o pensamento, nem o corpo, ela só sente as sensações desagradáveis e revive um lugar de muita vulnerabilidade, aspecto que ela tenta evitar a todo custo e que justifica a sua postura tão controladora. Sentir tudo isso é pavoroso e saber que não se consegue controlar sozinho, que isso pode vir a qualquer momento, gera ainda mais insegurança e ansiedade, uma bola de neve que leva a procura por ajuda.

Caminhos possíveis.

A psicologia busca o equilíbrio entre os opostos, através do contato com o que irrompe o inconsciente e da posterior ampliação da consciência.

Um melhor entendimento de si mesmo leva a um esforço consciente na busca de novas direções, tentando flexibilizar posturas até então rígidas. A análise e o analista possibilitam o encontro com esses conteúdos inconscientes e sua elaboração, fortalecendo a pessoa em análise e possibilitando que ela retome a direção da própria vida.

Marcela Pimenta Pavan é Psicóloga Clínica. Analista Junguiana e especialista em Família e Casal pela PUC-Rio. Trabalha com questões ligadas a relacionamentos, bem estar, felicidade, conflitos pessoais, ansiedade, depressão, entre outras. Atendimento online: www.acaminhodamudanca.com.br. Consultório: Largo do Machado – R.J. 
Contato: marcelapimentapavan@gmail.com
Publicado em ansiedade, controle, psicóloga junguiana largo do machado, psicóloga marcela pavan, Psicologia Junguiana | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Que tiro foi esse? Os impactos psicológicos da violência urbana.

Muitos-homens-preferem-nao-ver-e-muitas-mulheres-nao-podem-falar-perante-a-violencia-de-genero

A violência, em todos os seus aspectos, faz parte do cotidiano dos brasileiros. Assaltos, assassinatos, discussões, agressões físicas, confronto entre traficantes e a polícia, brigas em família, na escola, no trânsito…

Frequentemente vivenciamos essas situações ou ficamos sabendo de algum caso com alguém próximo. Além disso, somos bombardeados pelos jornais, facebook, whatsapp com notícias de violência.

Todo essa opressão traz impactos para o psiquismo dos cidadãos. Quando alguém, que tem um filho, assiste a um noticiário onde uma criança é morta na escola por causa de um tiroteio, automaticamente se coloca nessa situação e sente angústia, medo, revolta…

São muitas as sensações geradas por esse contexto de violência. O que fazemos com todas essas sensações ruins? Como elas impactam a nossa saúde emocional e mental?

 Alterações na saúde e nas relações.

O ser humano tem uma resposta fisiológica quando está em um ambiente hostil. Ele reconhece uma ameaça e, consequentemente, todo o seu corpo fica em alerta para tentar se defender do perigo eminente.

A situação de violência é uma ameaça frequente, que não sabemos nem quando e nem como acontecerá, isso leva o nosso corpo a ficar constantemente em alerta, tentando se defender de possíveis perigos. Com isso, surge o estresse e a saúde pode sofrer inúmeros prejuízos: crises de ansiedade que levam a taquicardia, falta de ar, insônia. Um estudo da Sociedade Brasileira de Neurofisiologia mostrou que 45% dos Brasileiros são atingidos pela insônia, um resultado alto que desencadeia outros problemas como fadiga, hipertensão, intolerância. Além disso, o medo da violência pode acarretar fobia e depressão, dificuldades de enfrentar o medo que levam a desmotivação e ao isolamento.

Nos relacionamentos, as ameaças constantes geram uma superproteção das pessoas com as outras, principalmente dos pais em relação aos filhos. Quando uma criança cresce num ambiente superprotegido ela tende a não experimentar situações novas, a não perceber e colocar a prova a sua potência e a sua capacidade de enfrentar os desafios. Assim não aprende a se defender, o que aumenta a insegurança tanto dela quanto dos pais.

É natural que as pessoas tenham medo de algo ruim acontecer com um parente próximo. Apesar de compreensível, muitas vezes esse comportamento não ajuda. Se preocupar com a segurança é fundamental, mas o excesso de zelo, tensões e preocupações sobrecarregam as relações.

O que fazer então?

Sabemos que a solução para a violência não é individual, é preciso mudanças sociais, éticas e econômicas na forma de conduzir o país para oferecer uma vida mais digna para as pessoas.

Mas, e enquanto isso não acontece? Como conviver com essa realidade?

É comum que todas essas sensações ruins que sentimos, em situação de violência, sejam transferidas para outras situações na nossa vida e, muitas vezes sem perceber, contribuímos com o ambiente violento. Quando alguém é agressivo conosco o quanto disso não levamos para o trabalho, para as redes sociais, para o casamento, para os filhos? Por isso a importância de termos a consciência de como somos afetados e mais ainda, como não perpetuar a agressividade e a raiva.

Do ponto de vista psicológico algumas atitudes podem ajudar as pessoas a se protegerem um pouco de toda essa atmosfera hostil.

  • Se prepare para o dia:

Não é porque ontem foi difícil que hoje precisa ser, pense como será o seu dia e inclua pensamentos mais positivos. Faça uma meditação ou mentalize na sua crença um dia bom, harmônico e produtivo.

  • Viva o contrário da violência

Perceba as pessoas a sua volta, se comunique com elas agradavelmente, seja gentil. É impressionante como as pessoas retribuem e contribuem também para um dia melhor.

  • Procure a Tranquilidade

Busque a sua paz, onde ela está? Nos amigos, na espiritualidade, na natureza, na atividade física. Fique perto das coisas que te acalmam para manter sua mente em equilíbrio. Além disso, encontre alguns recursos que possam te ajudar no dia a dia quando ficar com raiva e quiser revidar, principalmente em pessoas que nada tem a ver com a situação problema. Tenha algo que te descontraia rapidamente, um vídeo divertido no celular, um amigo para ligar, uma saída rápida, etc. Tudo isso ajuda a não ser tragado pela atmosfera de violência e indignação

  • Tenha um tempo pra você

Encontre espaços de harmonia e reflexão. Ambientes que te tragam a tranquilidade necessária. A psicoterapia é uma ótima opção, um caminho que leva ao autoconhecimento e auxilia a lidar melhor com as dificuldades do dia a dia.

  • Faça algo a respeito

Se a situação da violência é algo que te afeta e você acredita em coisas que possam melhorar essa situação, porque não começar a fazer algo a respeito? Seja na política, na educação, na saúde. Realize algo que possa contribuir de fato para a mudança desse contexto em que todos estamos inseridos. Quando nos colocamos em ação, saímos do lugar de somente reféns para o lugar de atuantes. Do ponto de vista psíquico, essa atitude traz autonomia e fortalecimento pessoal, aspectos importantes para uma vida com mais bem estar.

Marcela Pimenta Pavan é Psicóloga Clínica. Analista Junguiana e especialista em Família e Casal pela PUC-Rio. Trabalha com questões ligadas a relacionamentos, bem estar, felicidade, conflitos pessoais, ansiedade, depressão, entre outras. Atendimento online: www.acaminhodamudanca.com.br. Consultório: Largo do Machado – R.J. 
Contato: marcelapimentapavan@gmail.com
Publicado em Psicologia | 4 Comentários

Caminhando juntos!

flowers-last-moments-warmth-kemc-wooden-shoe-tulip-farm-oregon-flowers-sunset-white-sky-pink-red-yellow-beautiful-clouds-field-spring-green-images-1920x

Olá! Muitos que curtem as postagens no Blog e a nossa página no facebook já nos conhecem, mas muitos são novos, por isso vamos contar um pouquinho da nossa proposta.

Eu, Marcela, e a Viviane somos psicólogas e criamos o Blog “A Caminho da Mudança” em 2011. Já temos 7 anos de caminhada e de lá pra cá, aprendemos muito, tanto no consultório como na internet. Aprendemos principalmente quando trocamos com as pessoas, quando alguém nos confia suas questões e nos dá a oportunidade de ajudar. O Blog é só uma maneira de chegarmos até vocês com os assuntos que consideramos relevantes.

O “A Caminho da Mudança” surgiu da nossa vontade de promover um espaço para o debate dos assuntos cotidianos a partir de uma visão psicológica.

Esperamos que apesar da correria do dia a dia e do tempo limitado, haja um momento de reflexão e de questionamento a respeito da enorme gama de informações e de situações que nos acontecem diariamente. Muito do que vivemos toca o nosso emocional e, consequentemente, as nossas relações e a nossa vida.

Quando a reflexão se amplia a mudança é inevitável! Renova-se o olhar sobre o mundo e, consequentemente, sobre si.

Por isso, reafirmamos a nossa proposta:

Juntos seguimos o caminho em direção a mudança!

Marcela Pimenta Pavan e Viviane Lajter Segal

Publicado em Psicologia | Deixe um comentário

O tornar-se mãe

 

*Por: Viviane Lajter Segal

O momento da descoberta de uma gravidez gera um turbilhão de emoções que vão aumentando juntamente com o crescimento da barriga. Mulheres que se tornarão mães pela primeira vez sentem um misto de realização, expectativas, ansiedades e medos. O que esperar dessa nova vida?

O momento do nascimento de um bebê é único e geralmente vem acompanhado por uma sensação de completude, felicidade, alívio, realização, entre tantos outros sentimentos bons que podem ser citados aqui. Porém, há também um outro lado da maternidade, que pouco é comentado, mas que precisa de atenção, muito carinho e de acolhimento para a recém mãe. Não é incomum conhecermos histórias de mães que se sentem profundamente tristes após o parto, angustiadas diariamente no puerpério. Apesar dessas sensações de angústia serem pouco verbalizadas publicamente, elas são naturais nesse período.

Se prestarmos atenção na fala dessas mães perceberemos o enorme sentimento de culpa e de vergonha que acompanham toda essa angústia e, por isso, elas acabam guardando para si todas essas emoções. Autocríticas são recorrentes, como: “Como posso estar triste depois de realizar o sonho de ser mãe? Porque estou angustiada se amo muito meu filho? Não tenho direito de reclamar, meu filho nasceu perfeito e com saúde!”

Preconceito social

Verbalizar em voz alta esses sentimentos, pode ser muito doloroso. O medo do julgamento e da crítica é muito forte. Há uma pressão social que espera que uma mulher no puerpério, deva se sentir plena, feliz e realizada. Há muitos preconceitos sobre àquelas que se mostram um pouco mais entristecidas ou angustiadas. Essas mulheres são rotuladas como péssimas mães, que não amam seus filhos, ou mesmo como “desequilibradas”. São críticas muito fortes para quem, na realidade, só precisa de atenção e acolhimento no seu sofrimento. Rótulos esses que inibem que as mães consigam conversar com alguém sobre suas questões mais íntimas. Quanto mais elas guardam para si suas angústias, mais difícil se torna a sua resolução.

O tornar-se mãe é um processo muito delicado para as mulheres. Mexe com questões muito primitivas. Nos remonta a nossa própria infância e a forma como fomos recebidos no mundo. É uma enorme mudança na vida da mulher. Rotinas, falta de sono, estranheza com o próprio corpo, insegurança de como cuidar de um bebê tão frágil, alterações hormonais, são algumas dessas dificuldades.

Toda mudança gera angústia, mesmo quando são mudanças planejadas e desejadas! É um momento em que a mãe necessita de cuidado, apoio e carinho. Uma psicoterapia pode ser um bom auxílio, por se tratar de um espaço em que ela pode falar sobre tudo sem medo dos julgamentos ou críticas.

Depressão pós-parto

Apesar de ser relativamente comum surgirem essas tristezas no pós-parto, elas tentem a diminuir com o passar das semanas à medida em que essa mulher vai estabelecendo alguma rotina e ganhando mais segurança na relação com o bebê. Porém, há mães que não seguem esse caminho e, na realidade, os sintomas vão ganhando ainda maior intensidade. O que torna o cuidar um processo praticamente impossível e doloroso. Podemos estar à frente de uma mulher com depressão pós-parto.

É uma doença muito séria, que impede que a mãe consiga cuidar do seu filho e, consequentemente, o vínculo afetivo tão importante nesse primeiro momento entre mãe-bebê fica prejudicado, podendo gerar sequelas nessa relação para a vida toda. Nesse caso é muito importante que haja uma terceira pessoa, que pode ser o pai, a avó, ou qualquer outra que esteja disponível para dar afeto ao bebê.

Naturalmente essa mulher também necessita de cuidados. O tratamento adequado para a depressão pós-parto é a psicoterapia associada a um tratamento recomendado por um médico psiquiatra. Além do apoio e acolhimento familiar tão fundamentais.

Respeite o outro

O tornar-se mãe é um momento muito especial na vida de qualquer mulher, geralmente muito desejado e aguardado. Permite que haja uma transformação interna, uma reavaliação de sua própria vida e uma necessidade de fazer diferente, de ser uma pessoa melhor para seus filhos.

O que precisamos ter sempre em mente é que cada pessoa tem o seu próprio tempo de transformação e que é preciso respeitar a individualidade de cada um! Com o apoio adequado, essa nova mãe será capaz de aproveitar cada momento delicioso que a maternidade pode proporcionar!!

 

* Viviane Lajter Segal, CRP 05/41087, é Psicóloga Clínica, Psicanalista em formação pela SPCRJ e especialista em Terapia de Família e Casais pela PUC-Rio. Consultório em Copacabana, R.J. Acompanhamento online: http://www.acaminhodamudanca.com.br.
Contato: viviane@lajter.net 
Publicado em a caminho da mudança, amadurecimento, Análise, ansiedade, autoconhecimento, autoestima, autonomia, bem estar, Comportamento, Criança, depressão, emoções, escolha, estresse, família, felicidade, filhos, frustração, futuro, insegurança, maternidade, Mulher, pais, passado, presente, psicóloga copacabana, psicóloga Viviane Lajter Segal, Psicologia, psicologia online, relacionamentos, Sonho, Terapia, transformação, tristeza | Marcado com , , , , , , , | Deixe um comentário

A arte do cuidado.

Como a capacidade de cuidar pode tornar a vida mais feliz.

cuidar foto

O cuidado no cotidiano se apresenta nas mais variadas relações, como entre um casal, entre irmãos, com os animais de estimação, entre mãe e filhos, etc. Pode ser algo natural e fácil, mas não necessariamente. Nem todo mundo se sente apto a cuidar de alguém, pois exercer isso exige a capacidade de voltar a atenção e a energia para algo fora de si e algumas pessoas não estão dispostas, porque dá trabalho. Acontece que o cuidado faz parte da vida de todos nós, se estamos aqui hoje é porque fomos cuidados, talvez não da maneira que desejávamos, mas fomos. Alguém nos alimentou, embalou, limpou e vestiu, voltou a sua energia e a atenção para nós, nos salvou de perigos. Da mesma forma a vida pede que cuidemos também em algum momento: seja no nascimento de um filho, quando os pais envelhecem, no tratamento com as plantas e com os animais.

O cuidado é altamente benéfico para a nossa saúde emocional, tanto aquele que recebemos quanto o que conseguimos oferecer aos outros.

Quando uma criança se sente cuidada, ela se sente amparada, protegida, apoiada. São aspectos muito importantes para um bom desenvolvimento psíquico e, consequentemente, para a formação de um adulto seguro e feliz.

Ter a capacidade de cuidar de algo ou alguém, nos ajuda a prestar mais atenção no que acontece fora de nós, a perceber a necessidade do outro, a nos esforçar para sermos um pouco melhores, nos mobilizando em direção ao coletivo.

Muitas vezes sentimos um vazio enorme  por não termos recebido o cuidado de um pai ou de uma mãe e ficamos parado nesse ponto, tentando encontrar algo ou alguém que preencha essa lacuna. O duro é que em algum momento percebemos que ninguém é capaz de preencher isso. Aceitarmos a falta e ressignificá-la, nos ajuda a seguir em frente e a perceber que quem melhor pode nos ajudar nesse processo somos nós mesmos, através do auto cuidado. Esse processo não é simples, por isso, a psicoterapia é uma grande aliada na conscientização e na mudança de um padrão antigo.

Se observe sempre

Caso se sentir cuidado e amparado é vital pra você neste momento da vida, perceba primeiro como é que você está cuidando de si, em todos os aspectos. No visual, na saúde, se está se preservando de situações difíceis, etc. Como diz a frase da Clarice Lispector “Cuide-se como se você fosse de ouro, ponha-se você mesma de vez em quando numa redoma e poupe-se”.

Depois perceba como você está cuidando das coisas que estão ao seu entorno, da sua casa, das suas plantas, da sua família, da sua cidade. Muitos querem receber cuidado, mas poucos estão dispostos a oferecer. A vida pessoal e coletiva se enriquece quando incorporamos a habilidade do cuidar no nosso cotidiano. O mundo está precisando de pessoas capazes de cuidar. Dentro das nossas possibilidade podemos aproveitar pequenas e significativas maneiras de cuidar de nós mesmos e dos outros. Essas atitudes estimulam que os outros também nos tratem com carinho, tornando a vida mais leve e mais feliz!

Marcela Pimenta Pavan é Psicóloga Clínica. Analista Junguiana e especialista em Família e Casal pela PUC-Rio. Trabalha com questões ligadas a relacionamentos, bem estar, felicidade, conflitos pessoais, ansiedade, depressão, entre outras. Atendimento online: www.acaminhodamudanca.com.br. Consultório: Largo do Machado – R.J. 
Contato: marcelapimentapavan@gmail.com
Publicado em a caminho da mudança, bem estar, emoções, felicidade, psicóloga junguiana largo do machado, psicóloga marcela pavan, Psicologia | Marcado com , , , , | 2 Comentários

Precisamos falar sobre o suicídio

blog-suicidio

* Por: Viviane Lajter Segal

De acordo com dados da Associação Brasileira de Psiquiatria 17% da população brasileira já pensou, em algum momento, em tirar a própria vida. Todo ano são registrados cerca de 10 mil suicídios no Brasil e um milhão no mundo todo. Por causa desses números alarmantes o suicídio se tornou uma epidemia. Porém, é uma epidemia silenciosa, pois existe um tabu muito grande da sociedade em falar sobre o assunto, discutir possibilidades de evitação e mesmo de assumir que um ente querido tenha terminado com a própria vida.

Quebrando tabus

Na maior parte das vezes aquele que se suicida avisa de alguma forma, e mais de uma vez, antes de cometer o ato. Porém, há uma descrença das pessoas próximas. Geralmente acreditam que a pessoa está querendo apenas chamar a atenção, ou que “quem quer se matar de verdade não avisa, simplesmente se mata.” Pensamentos completamente enganados!

A ideia de acabar com a própria vida não é corriqueira e não podemos considerar que seja algo natural em algum momento da vida. Por isso, quando alguém chega a verbalizar a vontade de se matar, é importante que familiares e pessoas próximas fiquem atentos ao invés de desdenhar e deixar o assunto de lado. Além da descrença e do preconceito sobre o assunto, há também um real despreparo da sociedade com o problema.

O que fazer?

O que fazer quando uma pessoa querida cogita a ideia de acabar com a própria vida? Buscar ajuda profissional e nunca duvidar! Os profissionais capacitados para lidar com essa situação são o psicólogo e um médico psiquiatra. Juntamente com essa rede profissional é imprescindível que haja um apoio familiar que suporte esse momento de angústia tão forte.

Aspectos psicológicos

A grande maioria daqueles que já pensaram alguma vez em tirar a própria vida apresenta algum tipo de adoecimento mental que o leva a acreditar que essa seja a melhor solução para acabar com o sofrimento gerado e por todo estigma que isso carrega. As doenças mentais mais comuns são depressão, bipolaridade e esquizofrenia.

Existem também outras circunstâncias da vida em que a possibilidade de ideação suicida é maior, como: pessoas enlutadas (principalmente em idosos), abuso de álcool e drogas, pessoas que sofreram maus tratos ou abuso sexual na infância e o desamparo. São situações em que a angústia e o desespero são tão intensos que a pessoa não suporta sentir.

Geralmente o processo de angústia e desespero vai crescendo aos poucos. A pessoa começa a se isolar, a evitar situações que antes eram prazerosas e pode até começar a ter dificuldades na realização das tarefas diárias como ir trabalhar, por exemplo. Nesse movimento, não se consegue perceber racionalmente o motivo de tamanho desespero, pois “tenho tudo que alguém gostaria de ter” e, com isso, a vergonha e a culpa de estar se sentindo mal apesar “de estar tudo bem perante os olhos dos outros” faz com que ela se feche e se isole ainda mais. A pessoa sente muita vergonha de conversar e de pedir ajuda, dessa forma, os sintomas tendem a piorar.

Viver

Existem sim outras saídas! O apoio e o afeto das pessoas próximas são fundamentais. A psicoterapia se torna um espaço fundamental em que essa pessoa pode trabalhar os seus fantasmas e os medos mais profundos e perceber que existem outras formas de viver apesar daquilo que lhe aconteceu. A medicação, receitada por médico psiquiatra, também se torna um aliado imprescindível para permitir que a angústia e a ansiedade diminuam um pouco e, no caso das doenças mentais, que seja realizado o tratamento devido.

A vida é complexa e repleta de altos e baixos. Mas, precisa ser vivida da forma mais leve possível. Mesmo quando desacreditamos ou algo nos parece maior que as nossas forças são capazes de suportar, sempre há uma saída! Acredite e não tenha vergonha! Peça ajuda para conseguir transformar as dificuldades em algo menos doloroso e mais suave.

Pedir ajuda não é sinal de fraqueza, mas sim de que você não

está sozinho nessa jornada.

Seja feliz!

-Para ler mais sobre o assunto acesse: Suicídio: Informando para prevenir

 

*Por:  Viviane Lajter Segal, psicóloga clínica,CRP 05/41087. Atendimento  de adultos, idosos, casais e famílias.  Especialista em terapia de casal e família, PUC-Rio. Consultórios em Copacabana e Barra da Tijuca, RJ. Atendimento online A Caminho da Mudança. Contato: viviane@lajter.net

 

 

Publicado em a caminho da mudança, Agressividade, amadurecimento, Análise, ansiedade, autoconhecimento, autoestima, bem estar, bullying, Comportamento, controle, depressão, divórcio, emoções, escolha, estresse, frustração, futuro, insegurança, Morte, passado, psicóloga barra da tijuca, psicóloga copacabana, psicóloga Viviane Lajter Segal, Psicologia, psicologia online, separação, suicídio, Terapia, Terceira Idade, transformação, Transtorno bipolar, Trauma, tristeza | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 7 Comentários